terça-feira, 19 de agosto de 2014

Entrevista exclusiva com Angelina Jolie

Angelina Jolie, 39 anos, dirige seu segundo longa, Unbroken, baseado no romance do best-seller sobre a vida de atleta olímpico Louis 'Louie' Zamperini (1917 - 2014).

Esta mulher notável é parceira de Brad Pitt e mãe de seis filhos, bem como vencedora do Oscar, filantropa, Enviada especial da ONU e Ex-Embaixadora da Boa Vontade para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Sem mencionar regularmente citada como a mulher mais bonita do mundo e atriz mais bem paga de Hollywood, Jolie é verdadeiramente uma força da natureza.

A entrevista:

Q: O que a religião significa para você? Como você vê a religião no esquema da vida?

JOLIE: Bem, quero dizer que eu acho que nós podemos ver hoje certamente os lados negativos de como a religião é, ela é usada como uma ferramenta de ataque. Para mim, em relação a este filme, eu queria focar na fé, por isso foi muito importante para nós que ele tem temas que são universais a todos os credos. Seja o que for, o que quer e como você interpreta "Deus" e o que ele significa para você.

Q: Este filme mostra que há um herói em todos nós, e talvez possamos descobrir isso em nós mesmos. Você pode compartilhar um momento em sua vida onde você descobriu que era mais forte do que pensava que era? Estou certo de que existem muitos.

JOLIE: Sim, todos os dias eu estou questionando. Quando me tornei mãe, isso era, obviamente, uma experiência um pouco diferente para mim, porque eu não fui lá e dei a luz ao meu primeiro filho, comigo foi diferente, pois o eu peguei ele no aeroporto. (risos) Ele tinha seis meses de idade e estávamos em uma sala a sós em casa. Eu estava na África e não sabia como iria enfrentar esse desafio, pois ainda não acreditava que era a mãe de alguém, foi naquele momento que eu percebi que em um instante sua vida, na verdade, pertence a outra pessoa e cada escolha que você fizer vai afetar essa outra pessoa. Então, agora você vai correr e fazer de tudo para ser a melhor versão de si mesmo, porque você tem que ser. E eu me lembro da primeira vez que ele se machucou, e eu disse, 'Oh tudo bem, está tudo bem ", e então você percebe,' Oh, agora você é essa pessoa." Você é a pessoa que diz que está tudo bem e com confiança total de que você vai fazer isso muito bem, porque esse é seu trabalho agora, faze-lo se sentir bem. Afinal ele não é o único a chorar.

Q: Como foi sua experiência vivendo temporariamente na Austrália? É um mundo bem longe de Hollywood.

JOLIE: Bem, foi uma grande experiência. Meus filhos aprenderam a surfar, e mesmo que o papai não quisesse saber quando eles entravam na água, porque ele estava filmando Fury na Inglaterra e também tem fobia de tubarão. (risos) Então eu não disse a ele particularmente quando eles estavam no água. Estávamos em um grande grupo e foi como se tivemos tantos mundos para conhecer. Estar na Austrália foi extraordinário porque podíamos filmar na água e tivemos três tanques diferentes com água disponíveis, tivemos um barco na ilha de Cockatoo, tivemos uma vasta paisagem e lugares diferentes, para as filmagens, e a equipe foi realmente extraordinária. Eu acho que por causa do estilo de vida deles, eles são pessoas muito saudáveis, muito inteligente, muito fortes, por isso, quando tinha muito trabalho que precisava ser feito, era algo como vamos arregaçar as mangas e começar logo. É apenas um ótimo lugar para as crianças, eu passei muitas noites no zoológico e todos nós nos vestimos como animais. (risos)

Q: Que tipo de animais?

JOLIE: (risos) Eu não vou dizer. Mas nossos filhos queriam que nós combinássemos, por isso no final da noite, fomos dormir no Taronga Zoo e todos usavam onesies, ou seja estávamos todos vestidos com uma variedade de animais diferentes.

Q: Me parece que em sua vida pessoal e publica, sua carreira profissional, seus trabalhos, você tem tudo. Você ganhou um Oscar, poder, dinheiro, fama, um lindo marido, e uma família fantástica.

JOLIE: Parece muito bom vindo de você! (risos)

Q: Existe alguma coisa que você não fez? O que motiva você?

JOLIE: Meu foco agora é o meu filho que acaba de completar 13 e eu quero ter certeza de que ele se torne um grande homem. Eu sou como qualquer mãe, eu tenho seis filhos e quero ter certeza de que eles estão crescendo adequadamente. Quero uma família grande, quero anos para viver e eu quero ver eles felizes e saudáveis e que tenham tudo o que precisam na vida. Percebi desde cedo que prêmios, dinheiro e tudo isso não te fazem feliz, apenas ajuda certamente a saber que você está indo para conseguir outro emprego, o que é ótimo, mas você está feliz quando sabe que é uma pessoa útil. Você é feliz quando está fazendo coisas que você sente estar no caminho certo, então eu acho apenas que vou continuar tentando descobrir onde eu possa fazer coisas boas. Eu sei quem eu sou em casa, e no mundo eu estou tentando descobrir com meu trabalho humanitário ou com qualquer trabalho político, onde eu possa ser útil, e que seja capaz de fazer, porque eu não sei, mas eu vou continuar aprendendo e tentando. Me pergunte isso daqui a cinco anos. (risos)

Q: Como você classificaria a si mesmo como uma nadadora?

JOLIE: Essa é uma pergunta interessante. Quando eu nadava no mar, eu era pequena, e ia com a minha mãe, eu sou uma boa nadadora, mas eu sou uma daquelas mães preocupadas e ensinei meus filhos a nadar muito cedo, porque eu tenho medo de afogamento. Sou muito paranoica sobre água. E coisas desse tipo acontecem muito em LA e eu acho que você tem que ter certeza que pode agir tão rapidamente quanto possível. Mas eu não tenho nadado no mar e acho que isso já tem bastante tempo. Eu provavelmente devia sair mais e entrar no oceano, porque tudo o que fazemos na vida é muito corrido e não temos tempo pra nada. Nossas vidas ficam muito completas e corridas que nós esquecemos de ir e desfrutar de um grande mergulho no oceano.

Q: Unbroken sairá no dia de Natal, o que você acha disso?

JOLIE: Você sabe o quê? Estou tão feliz que ele vai sair nessa data, porque realmente acho que é um filme de Natal perfeito. E também estamos preparando By The Sea, Brad está em casa nesse exato momento praticando suas cenas em francês enquanto nos falamos. (risos)

Q: Você tem sido um exemplo para a força do espírito humano. Alguma vez você já pensou em escrever sua autobiografia e fazer um filme sobre suas experiências?

JOLIE: Eu sinto que tenho muito a aprender ainda, acho que apenas estou no meio de tudo o que eu deveria ser. Espero e aprecio poder dizer isso, pois acho que aprendi algumas coisas e tenho feito algumas coisas, mas eu não sei, eu sinto que ainda fiz pouco, tenho mais coisas pra fazer. Eu ainda acordo todos os dias querendo saber se eu estou fazendo o suficiente e o que eu deveria estar fazendo com a minha vida.

Q: Você se relaciona com o lado rebelde em você?

JOLIE: Um pouco. (risos) Mas não conte pra ele. (risos)

Q: Então, como você relaxa após um dia estressante fazendo um grande projeto de filme, como este?

JOLIE: Eu acho que se você perguntar ao Brad, ele vai dizer que eu nunca relaxo, eu sou terrível. Quer dizer, eu ainda estou trabalhando nisso e vou para a sala de edição ainda hoje e farei duas sessões de ADR, efeitos visuais e música. Então ainda estamos trabalhando nele. E eu não gosto de não fazer nada, eu sou terrível nisso. Então, eu amo ter passado os últimos dois anos aprendendo tudo o que pude sobre todos os aspectos da vida deste homem. E até mesmo eventos dos períodos dos anos 20 na Califórnia, aprendendo o que era isso e aquilo, e sobre os ítalo-americanos que estavam nas Olimpíadas de Hitler e o que estava acontecendo naquela época e também sobre Jesse Owens, é apenas um grande prazer fazer tudo isso. Então, não, eu não costumo relaxar. Meus filhos pulam na cama e eles são mais bagunceiros do que eu. (risos) Então, nós transformamos isso em um grande caos.

Q: Você e Brad estão trabalhando em dramas históricos; ele fez Fury e você Unbroken. Como vocês fizeram que as coisas descem certo?

JOLIE: Sim, eu estava fazendo Unbroken e ele encontrou Fury e realmente queria muito fazê-lo, essa foi na verdade a primeira vez que ficamos longe um do outro. Ele não estava lá comigo, ao meu lado enquanto eu fazia Unbroken, e isso foi difícil, mais interessante, porque nós decidimos transformar esse momento em algo positivo, e fizemos igual se fazia na segunda Guerra Mundial, escrevemos cartas um para o outro.

Q: Olhando para trás, depois de sua fase selvagem, quanto você acha que as coisas mudaram para você? Porque você tem falado muito sobre sua mãe no passado, que foi ela que ajudou a formar seu senso moral. Quando foi que você mesma fez escolhas que lhe transformaram na diretora que é hoje?

JOLIE: Bem, é engraçado. Eu ainda me sinto tão selvagem hoje como eu era antes, porque, claro, com certa viagem que faço, eu levo a minha vida com os meus filhos, as decisões que tomo, é nesse sentido desse tipo de energia que eu acho que nós podemos mudar. Para mim, acho que a grande mudança foi tirar o foco de mim mesma e pensar mais no mundo lá fora. Isso aconteceu a primeira vez quando fui em um país devastado pela guerra, porque quando você crescer, especialmente quando você crescer nesta cidade de LA você ficar chateado com coisas muito medíocre, muito, coisas muito bobas mesmo. Você é dark e está deprimido e quer fazer isso ou aquilo, ai depois você vai para um lugar onde percebe que realmente deveria se bater no rosto, e dizer: "Como pude ser tão cega em pensar que poderia reclamar, ou que pudesse querer mais, quando tantas pessoas têm tão pouco e estão sofrendo muito. "E foi assim, logo que tomei conhecimento disso, eu fiquei tão envergonhada que eu tinha sido tão pouco consciente e tão preocupado com meus próprios problemas bobos. Isso me mudou completamente, e me faz lembrar todos os dias da minha vida privilegiada. É por isso que quando eu acordo de manhã, a primeira coisa que faço como todo ser humano é ler sobre as coisas que estão acontecendo no mundo e onde eu deveria estar ajudando.

Q: Você já da muito de sua vida aos outros, mesmo com essa grande família que tem, que seria compreensível para você chegar e dizer: 'Gente, eu já estou com as minhas mãos cheias e ocupadas. Mas você realmente vai lá fora, em áreas devastadas pela guerra. É frustrante pra você ver basicamente que o que está fazendo é pouco mesmo você fazendo muito?

JOLIE: Isso está além da frustração. Eu tive um bom almoço uma vez com Jane Goodall, e eu disse a ela (isso foi há muitos anos): 'É difícil ter alguma esperança, porque não é só isso e isso'. E ela bateu com o punho na mesa e disse: 'Sempre há esperança",ou seja, você não tem o direito de desistir da chance de tornar tudo melhor, porque você está em uma posição onde você pode fazer as coisas serem melhor. E para todas as pessoas, você não tem permissão de se levantar e sentir o peso delas em seus ombros, você tem que encontrar soluções. Então eu olho para o mundo de hoje e penso: 'Como poderia ficar pior? "E ao mesmo tempo eu acho que olhamos para trás na história, e olhamos para trás em todos os tempos mais sombrios da história, as coisas mudam, as coisas se reestruturaram. Eu não sei como isso vai ser, mas eu sei que algo vai acontecer, e você sente isso quando como uma represa está se rompendo, e ela tem que ser reconstruida, então vamos ter que repensar a forma como nos aproximamos uns dos outros e a forma como trabalhamos juntos. É preciso que essas grandes e fortes vozes de liderança venham para a frente e façam algo. E eu tenho que acreditar que é possível ou Jane estaria com raiva de mim. (risos).

Q: Obrigado.

JOLIE: Oh, obrigado vocês.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Angelina Jolie fala sobre o recurso no processo de plágio

Angelina Jolie deu uma declaração na ultima quarta-feira, 13 de agosto, ao saber do recurso que o escritor croata James J. Braddock apresentou em março desse ano, depois de perder no ano passado o processo de plagio que movia contra a atriz desde 2012.

A atriz e diretora declarou: “O apelo emocional de Braddock de que sua obra foi mal traduzida é uma afirmação sem fundamento, pois o padrão de analise de violação do tribunal inferior não continha nenhum erro.

sábado, 16 de agosto de 2014

Set de gravação de By The Sea está quase pronto

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O set de gravações do longa By The Sea que reunirá novamente Angelina Jolie e Brad Pitt já está praticamente pronto.

As obras devem ser finalizadas ainda nesse domingo, 17 de agosto, e a gravações podem começar já na segunda-feira, 18 de agosto.

By The Sea é um drama intimo e pessoal, foi escrito e será dirigido por Angelina Jolie, e fala sobre relacionamentos entre pessoas que passaram por momentos muito difíceis e sobreviveram.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Exclusivo: Novos detalhes sobre "By The Sea" novo filme de Angelina Jolie e Brad Pitt

Angelina Jolie falou em entrevista um pouco sobre By The Sea, novo filme que estrelará junto com o noivo, o ator Brad Pitt e também dirigirá.

"Primeiramente tenho que dizer que não é um filme de ação, é um pequeno drama, íntimo, e eu escrevi isso para nós há alguns anos atrás".

"Temos arrastado ele por alguns anos, um pouco tímidos, porque é muito pesado, é sobre um relacionamento, com pessoas passando por muitas coisas juntas e sobrevivendo", disse a atriz e diretora.

"Não é fácil. Então, estávamos nervosos, pois como atores temos que saber se somos capazes de lidar com esse tema e faze-lo em conjunto. Mas sentimos que estamos em um bom lugar para fazer isso agora, e estamos muito animado com o desafio, e sim, eu irei dirigi-lo, sim".

De acordo com Angelina, Brad está igualmente entusiasmado com o projeto. "Obviamente, Brad está disposto a me deixar dirigi-lo e trabalhar comigo. Ele é extremamente favorável, o que é maravilhoso, porque estamos interessados em aspectos diferentes do filme".

PS: Assim que sair novas informações, atualizarei o texto.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Escritor entra com recurso em processo de plagio contra Angelina Jolie

Angelina Jolie deve retornar aos tribunais para se defender da acusação de plagio movida pelo escritor croata James J. Braddock.

A atriz de Malévola ganhou em primeira instância no ano passado o processo, quando um juiz decidiu em seu favor que as alegações de que o roteiro de seu filme “Na Terra de Amor e Ódio”  seja baseado no livro The Soul Shattering foi tirado do livro de Braddock.

Mais o escritor croata não desistiu, novos documentos judiciais mostram que Braddock entrou com recursos de apelação. O recurso foi protocolado em 11 de março de 2014, e Braddock alega que o juiz que decidiu anteriormente contra ele, utilizou um sistema pobre para determinar se Jolie tinha violado seus direitos autorais.

"A decisão do Tribunal de Justiça observou uma série de erros materiais, começando com descrições claras que são interpretadas ou traduzidas incorretamente, para a desclassificação de um complexo da obra. O tribunal não comparar a cena em todos os elementos, apenas comparou as partes individuais! Desta forma, as evidencias de violação apontadas pelo recorrente, e os testes que foram realizados não foram executados de maneira correta".

Com essas alegações Braddock está basicamente dizendo que seu romance não foi traduzido corretamente e, portanto, não poderia ser adequadamente determinado se é semelhante ao filme ou não.

Braddock também acusa o juiz anterior de não rever todo o material relevante e está pedindo ao tribunal de recurso um olhar mais detalhado novamente sobre o caso na esperança de que consiga reverter o caso que lhe foi negado.

Em 2011 quando o processo foi iniciado originalmente, Braddock alegou que um dos produtores do filme, disse em uma entrevista que seu livro foi discutido antes do filme começar a ser feito e todos eles decidiram que queriam adaptá-lo para os cinemas.

Ele afirmou também que Jolie nunca obteve os direitos dele para adaptar o seu livro, e ele busca indenização pela violação de direitos autorais.

O juiz federal na época concluindo que as duas histórias não eram semelhantes porque "Blood and Honey é essencialmente uma história de traição, vingança e tragédia com pouca ou nenhuma esperança, enquanto Slamanje Duse (o nome do livro, na Croácia) centra-se na família, amor e resistência".