segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Angelina Jolie no segundo dia de visita aos refugiados no Iraque

 
 
 
 
Angelina Jolie visitou novamente nessa segunda-feira, 26 de janeiro, refugiados no Iraque, em seu segundo e ultimo dia no país.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Angelina Jolie pede ajuda aos refugiados em coletiva no Iraque

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A Enviada Especial do UNHCR (ACNUR) Angelina Jolie está em Dohuk, Iraque, hoje e fez uma visita aos refugiados sírios e cidadãos iraquianos deslocados na região do Curdistão do Iraque para oferecer apoio a 3,3 milhões de pessoas deslocadas no país e destacar as suas necessidades prementes.

Desde a última visita da Senhora Jolie ao Iraque em setembro de 2012, a escala e a gravidade da situação humanitária têm aumentado dramaticamente, como os conflitos na Síria e no Iraque que se intensificaram e se tornaram interligados.

"É chocante ver como a situação humanitária no Iraque se deteriorou desde a minha última visita. No topo de um grande número de refugiados sírios, dois milhões de iraquianos foram deslocados pela violência, só em 2014. Muitas dessas pessoas inocentes foram arrancados várias vezes de suas casas, na esperança de buscar segurança em meio a mudanças na linha de frente. "

Enquanto uma resposta a uma ajuda maciça foi lançado pelo ACNUR e seus parceiros, um número estimado de 330 mil pessoas em todo o país ainda vivem em abrigos simples e desconfortáveis para enfrentarem seu primeiro inverno longe de casa.

Hoje, Sra Jolie visitou deslocados internos iraquianos que vivem em um assentamento informal e formal em um acampamento Khanke, a 40 minutos de carro da cidade de Dohuk. Juntos, os locais agora acomodam mais de 20 mil pessoas da minoria Yazidi que fugiu de Sinjar e áreas adjacentes no início de agosto. Jolie falou com pessoas com histórias dramáticas de fuga, incluindo pessoas que conseguiram fugir de suas prisões e caminharam durante a noite e se esconderam durante o dia. Ela também se reuniu com mulheres idosas que estavam entre os 196 Yazidis recentemente divulgados pelos insurgentes e agora ficam no assentamento informal em Khanke.

As mulheres relataram a sua provação de sequestro, detenção, fuga, e soltura. Jolie ouviu as histórias de extrema dificuldade e perdas, inclusive de pessoas que ainda têm filhos, maridos e filhas detidas, e outros que ouviram falar que suas filhas foram transferidos para a Síria. Outros tinham perdido todo o contato com seus entes queridos e não tinham ideia de seu destino.

"Nada pode prepará-lo para as histórias horríveis desses sobreviventes de sequestro, abuso e exploração e ver como nem todos eles podem obter a ajuda urgente de que necessitam e merecem", disse Jolie. "As necessidades para superar drasticamente os recursos disponíveis em sua vasta crise. É necessário muito mais ajuda internacional", acrescentou a enviada especial.

Os déficits de financiamento têm afetado a escala e o tipo de programas para ajudar os sobreviventes de violência e abusos dos direitos humanos juntamente com o fornecimento de abrigo e outros tipos de assistência. Enquanto grande parte da ajuda foi fornecida pelo governo, ao ACNUR e seus parceiros ao longo dos últimos seis meses - incluindo 34 novos campos, construídos ou em construção - as operações de ajuda são dificultados pela falta de financiamento juntamente com restrições de segurança. ACNUR, por exemplo, recebeu apenas 53% do necessário USD 337 milhões para a sua resposta ao deslocamento interno no Iraque durante o ano de 2014 e recebeu o sinal verde para prosseguir na captação, projetada para apenas 31%  do necessário USD 556 para 2015 .

A região do Curdistão do Iraque (KRI) está hospedando cerca de 900.000 pessoas deslocadas, colocando uma enorme pressão sobre a hospedagem, comunidades, autoridades e infra-estrutura. O grande fluxo de pessoas de Mosul e Sinjar, entre junho e agosto de 2014 causou um atraso de três meses no início do ano letivo, como mais de 700 escolas públicas de Dohuk foram ocupadas por populações desenraizadas. Estima-se que 20% dos cinco milhões de pessoas no KRI ou são deslocados iraquianos de outros lugares ou refugiados.

"Eu sou muito grato às autoridades curdas para hospedar tantos iraquianos deslocados ao lado de refugiados sírios no momento em que eles estão enfrentando tantos desafios", disse Jolie.

Esta manhã, a Sra Jolie fez uma visita de retorno para o acampamento Domiz que agora abriga mais de 50.000 refugiados sírios - mais de um quinto de toda a população de refugiados sírios no Iraque, que atualmente é de 233.000. Ela visitou pela última vez Domiz, (agora o maior campo de refugiados sírios no Iraque), em 16 de Setembro de 2012, quando possuía cerca de 8.500 pessoas.

À medida que o conflito na Síria se aproxima de seu quinto ano, Sra Jolie disse: "A guerra na Síria está na raiz de muitos dos problemas enfrentados aqui no Iraque e em toda a região há uma necessidade urgente de liderança internacional para romper o ciclo da violência na Síria, e para encontrar uma maneira de avançar em direção a um acordo de paz justo e sustentável. "

Sra Jolie está em sua quinta visita ao Iraque e sua sexta visita a refugiados sírios na região.

"Muitas pessoas inocentes estão pagando o preço do conflito na Síria e na propagação do extremismo", disse Jolie encerrando o primeiro dia de sua visita de dois dias ao Iraque hoje. "Quero expressar minha mais profunda simpatia à família de Haruna Yukawa o refém japonês supostamente assassinado na Síria, ontem, e todas as famílias e vítimas desses atos violentos e extremos."

Mais de 3,8 milhões de sírios fugiram para os países vizinhos da Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque e Egito. Outros 7,6 milhões de sírios estão deslocados no interior do país.

Há cerca de 3,1 milhões de iraquianos deslocados internos em todo o país, incluindo um milhão de pessoas que tinham sido deslocadas entre 2003 e 2013 e 2,1 milhões de pessoas que foram deslocadas em 2014.

Declaração da Enviado Especial do UNHCR na conferência de imprensa realizada no campo de Khanke para pessoas deslocadas internamente, Dohuk, Iraque, 25 de Janeiro de 2015.

Estou chocado com o que eu testemunhei hoje.

Esta é a minha quinta visita ao Iraque desde 2007, e o sofrimento é pior do que qualquer coisa que eu já vi nesse tempo.

Desde minha ultima visita ao Iraque, mais de 2 milhões de pessoas foram forçadas a deixar suas casas, principalmente nos últimos seis meses - desta vez, os cidadãos iraquianos. O alastramento do conflito na Síria tem sido devastador.

A brutalidade do conflito, a velocidade e escala do deslocamento chocou o mundo. Ajuda vieram, mas não foi o suficiente.

A região do Curdistão do Iraque está hospedando quase um quinto da sua população em pessoas deslocadas - o povo ainda permanecem acolhedor.

Eu conheci mulheres que foram sequestrados e escaparam e agora estão muito traumatizadas para falar.

Tenho visto as famílias com crianças pequenas que vivem sem barracas, com 2 meses até o inverno acabar.

As crianças cujos pais foram assassinados e agora estão aqui desacompanhados, apenas com um irmão de 19 anos para ser o único a fornecedor apoio aos seus sete irmãos.

Eu conheci mães cujos filhos foram sequestrados por ISIS. Como mãe, eu não poderia imaginar uma horror maior. Eles são dominados por pensamentos sobre o que está acontecendo com seus filhos (com o conhecimento de que existe abuso, trabalho escravo, e estupro.)

Peço aos cidadãos ao redor do mundo para se colocarem no lugar dessas pessoas inocentes nas tendas e acampamentos improvisados. As famílias que conheci hoje que foram agredidas e abusadas. Seus familiares assassinados, suas casas destruídas.

Milhões de pessoas estão deslocadas internamente. E mais de cinco milhões de crianças estão sozinhas em extrema necessidade de ajuda humanitária na Síria.

Eles estão pagando o preço da nossa falha coletiva em acabar com o conflito que tem permitido que extremistas tomem posse.

Hoje, quando nos aproximamos do 5º ano do conflito na Síria, temos um assombroso numero de 13 milhões de pessoas deslocadas em toda a Síria e Iraque. Países fronteiriços e os seus cidadãos estão sob imensa pressão.

A comunidade internacional tem de intensificar e fazer mais.

O ACNUR recebeu apenas metade dos fundos necessários em 2014 para os programas no Iraque e na Síria e está extremamente preocupado com o ritmo lento das promessas para este ano. Sem mais assistência, a sua situação é insustentável.

Faço um apelo a todas as partes envolvidas no conflito e à comunidade internacional para fazer o que puder para acabar com a guerra na Síria - a raiz de muitos dos problemas que enfrentamos, incluindo o perigo renovada a partir de terrorismo.

Não podemos colocar nossas esperanças em simplesmente gerenciar esse conflito, que é uma ameaça para toda a região e, portanto, à paz e à segurança internacionais.

Temos de perguntar: já não somos capazes de manter o ritmo com as necessidades dos refugiados hoje, o que será a situação daqui a um ano, daqui a dois anos, se não houve nenhum progresso?

Precisamos urgentemente encontrar um caminho para uma paz justa e sustentável na Síria. Já passou da hora para os líderes de todos os lados encontrarem um terreno comum e uma maneira de seguir em frente.

Não é o suficiente apenas defender os nossos valores em casa. Nós temos que defendê-los aqui, nos acampamentos e nos assentamentos informais em todo o Oriente Médio, e nas cidades em ruínas do Iraque e da Síria. Estamos sendo testado aqui, como uma comunidade internacional, e até agora - para todos os imensos esforços e boas intenções - estamos falhando.

As pessoas que conheci hoje precisam saber que nós estaremos com eles, dando-lhes o apoio que precisam para sobreviver a cada dia que eles continuam deslocados. Mas, acima de tudo, eles precisam saber que um dia eles vão ser capazes de ir para casa. Que haverá um fim a todo esse sofrimento.


PS: Qualquer erro de tradução, por favor, me comuniquem para que eu possa consertar.

Angelina Jolie está em missão humanitária no Curdistão

A estrela de Hollywood e Enviado Especial da ONU para refugiados Angelina Jolie está na região do Curdistão, na Turquia, para visitar campos de refugiados.

Jolie, que chegou em uma visita não anunciada no sábado à noite, era esperado para visitar um campo de refugiados na província de Duhok que abriga dezenas de milhares de Yezidis e outros refugiados de Mosul.

Rudaw também soube que ela vai dar uma conferência de imprensa hoje na sequência da sua visita ao acampamento.

A região é o lar de 1,6 milhões de refugiados do Curdistão, sírios e do resto do Iraque, a maioria dos quais fugiu do Estado Islâmico (ISIS) no verão passado.

A atriz norte-americana foi nomeado Enviada Especial em 2012 pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

Esta é a segunda visita de Jolie a região do Curdistão. Em setembro de 2012 Jolie visitou o campo de refugiados de Domiz em Erbil e se reuniu com autoridades curdas, incluindo o primeiro-ministro Nechirvan Barzani.

De acordo com o ACNUR, Jolie realizou "mais de 40 visitas de campo em todo o mundo, tornando-se especialista no assunto dos deslocamentos forçados e uma incansável defensora dos refugiados."

sábado, 24 de janeiro de 2015

Angelina Jolie embarca no aeroporto de LAX em Los Angeles

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Angelina Jolie foi fotografada na tarde de sexta-feira, 23 de janeiro, quando chegava ao aeroporto de LAX em Los Angeles, Califórnia.

Segundo informações o destino da viagem seria a cidade de Berlim na Alemanha, embora ela tenha embarcado em um voo da Turkish Airlines, companhia aérea da Turquia.